quinta-feira, 14 de dezembro de 2017

dezembro


(a ti, Mãe)
"Mãe"_almada negreiros


Pássaro exposto
Aos perigos
Nascido
Do ninho
A voar.

Ponto-a-ponto
Cordão umbilical
Doutro chão.

O primeiro chôro
A cama de colo
E os braços 
De afectos
E o cheiro a leite 
O aconchego materno 
A fome e o calor
Do  amor
Os corpos inteiros
Na transição dos respiros.

Úteros suplentes
E a voz doce
No Tempo
Agora a marcar
A Vida
Nova
Que se recria
Até outra cria.

LuísM_12.12.2017



6 comentários:

  1. A Vida
    Nova
    Que se recria
    Até outra cria.

    um poema muito belo! pelos frutos se conhece a árvore!

    abraço, meu amigo

    ResponderEliminar
  2. Um poema belíssimo.
    Uma homenagem merecida.
    Gostei tanto...
    beijinhos
    :)

    ResponderEliminar
  3. Uma homenagem aos cuidados maternais. Ao nascimento, às primeiras etapas de uma vida pequenina e nova.
    Mãe, é, sem sombra de dúvida, o símbolo verdadeiro do AMOR, em maiúsculas. Um amor que não conhece barreiras, nem princípio nem fim; é perene.

    Parabéns, querido amigo, mais um poema fabuloso. Muito seu, Luís.
    Beijo e bom fim de semana

    ResponderEliminar
  4. O primeiro amor. A mãe: sempre disponível sem impor condições... Muito belo este poema que me tocou imenso.
    Um beijo e desejos de um bom Natal e que 2018 te traga muitos motivos de esperança e que possamos alimentar o sonho de um mundo melhor. Tudo de bom para ti e tua família.

    ResponderEliminar
  5. Meu Amigo, venho deixar um beijo com os votos de um Natal de paz e harmonia, de serenidade e muito amor. Que o 2018 traga tudo o que o 2017 se esqueceu. Eu peço, acima de tudo, saúde.

    Festas Felizes, querido amigo Luís.

    Beijo com carinho

    ResponderEliminar
  6. Poema belíssimo e especial, este
    vínculo mágico com o sagrado dentro,
    que é o amor de Mãe.
    Deixo o meu carinho nos votos de um
    Natal abençoado junto com a sua
    família e 2018 repleto de sonhos e realizações!
    Sempre aprecio as leituras preciosas
    da sua arte poética aqui e nos
    seus outros espaços, sempre
    uma poética de alto nível
    literário, de beleza singular, caro Luís.
    Beijo e Abraço de Paz!

    ResponderEliminar